CORONAVÍRUS

O coronavírus causa infecção respiratória em humanos podendo levar ao desenvolvimento de sintomas do resfriado comum, no entanto, podem eventualmente levar a infecções graves em grupos de risco, idosos e crianças. O espectro clínico do novo coronavírus (COVID-19) não está descrito completamente. Além disso, ainda não há vacina ou medicamentos específicos disponíveis.

Os sintomas mais comuns são febre, coriza, tosse, dor de garganta e casos graves podem desenvolver pneumonia e insuficiência respiratória aguda.

Boletins Informativos

Planos, Protocolos e Procedimentos

Definição de caso suspeito

Situação 1: Febre E pelo menos um sinal ou sintoma respiratório (tosse, dificuldade para respirar, batimento das asas nasais, entre outros) E histórico de viagem para área com transmissão local ou áreas prioritárias1, de acordo com a OMS, nos últimos 14 dias anteriores ao aparecimento dos sinais ou sintomas; OU

Situação 2: Febre E pelo menos um sinal ou sintoma respiratório (tosse, dificuldade para respirar, batimento das asas nasais entre outros) E histórico de contato próximo2 de caso suspeito para o COVID-19, nos últimos 14 dias anteriores ao aparecimento dos sinais ou sintomas;

Situação 3: Febre1 OU pelo menos um sinal ou sintoma respiratório (tosse, dificuldade para respirar, batimento das asas nasais entre outros) E contato próximo2 de caso confirmado de coronavírus (2019-nCoV) em laboratório, nos últimos 14 dias anteriores ao aparecimento dos sinais ou sintomas.

1Consulte a lista atualizada no link www.saude.gov.br/listacorona

2Entende-se como contato próximo uma pessoa envolvida em qualquer uma das seguintes situações: a) Estar a dois metros de um paciente com suspeita de caso por 2019-nCoV, dentro da mesma sala ou área de atendimento (ou aeronaves ou outros meios de transporte), por um período prolongado, sem uso de equipamento de proteção individual. b) Cuidar, morar, visitar ou compartilhar uma área ou sala de espera de assistência médica ou, ainda, nos casos de contato direto com fluidos corporais, enquanto não estiver em uso do EPI recomendado.

Modos de transmissão

Não está totalmente estabelecido, mas as avaliações dos casos sugerem a possibilidade de disseminação de pessoa para pessoa, pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como:

  • gotículas de saliva;

  • espirro;

  • tosse;

  • catarro;

  • contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão;

  • contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

Situação do Brasil

O Brasil, o maior número de casos foi registrado na região sudeste. Para informações atualizadas acesse os sites:

CORONAVÍRUS Brasil
Lista Coronavírus
Plataforma Saúde
Coronavírus: o que você precisa saber
Fundação Oswaldo Cruz

Como prevenir o contágio

  1. Lave cuidadosamente as mãos com água e sabão por pelo menos 20 segundos, com muita frequência. Na falta, friccione-as com álcool em gel em concentrações ≥ 60% até 70%. 

  2. Evite tocar olhos, nariz e boca.

  3. Cubra o nariz e boca ao espirrar ou tossir (etiqueta respiratória). Utilizar o cotovelo para conter o espirro ou, ainda, um lenço de papel para evitar contaminação das mãos e de outras áreas, descartando-o logo em seguida. 

  4. Evite contato físico desnecessário. Pelo menos neste período, de muitas incertezas, adotar cumprimentos sem o contato das mãos e evitar beijos e abraços.

  5. Tenha precaução com objetos possivelmente contaminados (corrimãos, maçanetas, celulares, interruptores, torneiras, carrinhos de supermercado) e não compartilhe objetos de uso pessoal.

  6. Limpe e desinfete objetos e superfícies tocados com frequência, utilize preferencialmente álcool 70%.

  7. Evite aglomerações e ambientes sem ventilação adequada.

  8. Evite contato próximo com pessoas doentes, ou com sinais ou sintomas respiratórios.

Vídeos

Minuto Saúde - Prevenção coronavírus

Ministério da Saúde

Minuto Saúde - Etiquetas de higiene

Ministério da Saúde

Higiene das Mãos

OPAS/OMS

Cuidados no transporte público

NTU Brasil

Higiene das Mãos

Instituto Nacional do Câncer

Aprenda a maneira correta de lavar as mãos

Ministério da Saúde

Uso de máscaras de tecido

Ministério da Saúde

Medidas de higiene respiratória nos ambientes laborais e de estudos

  • Utilização de lenços descartáveis nos diversos locais de trabalho e estudo, para assoar o nariz ou tossir sem espalhar gotículas com vírus.

  • Caso não disponha de lenços descartáveis, ao tossir ou espirrar, cubra a boca e o nariz com o antebraço. E lave o braço assim que possível.

  • Lixeiras com tampa precisam estar disponíveis, principalmente em locais sanitários, de realização de refeições, dentre outros.

  • Se estiver doente ou apresentar febre e sintomas respiratórios, comunique à gestão de trabalho ou responsáveis acadêmicos da necessidade de se ausentar das atividades para cuidar-se, evitando assim a transmissão de doenças para outras pessoas, inclusive colegas.

  • Utilize com frequência álcool-gel disponível em dispensadores instalados em locais visíveis.

  • Recomenda-se afixar cartazes e disponibilizar materiais informativos nos ambientes e sistemas informatizados, como pôsteres que promovam a lavagem das mãos, uma boa medida para os gestores e coordenadores adotarem. Combine essa ação com outras de comunicação sobre higiene manual e atitudes saudáveis na Universidade.

Outras orientações

Dúvidas sobre o Covid-19?